quarta-feira, 21 de maio de 2008

Personalidade da vez: Aurobindo


Nasceu em Calcutá, Índia, a 15 de agosto de 1872. Aos 7 anos, foi estudar na Inglaterra, onde ficou até os 21 anos. Lá, aprendeu e dominou completamente o inglês, o grego, o latim e o francês. O alemão, o italiano e o espanhol também lhe eram familiares. Ao retornar à Índia, em 1893, começou a procurar pela sabedoria e verdade do Oriente. Aprendeu o sânscrito e várias línguas indianas,e assimilou o espírito da civilização indiana, em todos os seus aspectos. Passou treze anos a serviço administrativo e educacional para o Estado, tendo ficado uma grande parte deste período em silenciosa atividade política. Em 1906, foi para Bengala assumir abertamente o comando do movimento revolucionário para a independência da Índia, que durante anos havia organizado em segredo. Foi processado três vezes, mas liberado por falta de provas.


Finalmente, o Governo Britânico conseguiu prendê-lo, mantendo-o no cárcere por um ano, entre 1908 e 1909. Foi durante esse período que Sri Aurobindo passou por uma série de experiências espirituais que determinou o curso de seu trabalho futuro. Solto e certo do sucesso do movimento libertador da Índia, e respondendo a um chamado interior, Sri Aurobindo retirou-se do campo político e, em 1910, viajou para Pondicherry, no sul da Índia, para devotar-se totalmente à sua missão espiritual. Sri Aurobindo anteviu a possibilidade de uma vida divina na terra e lutou por ela. Durante 40 anos, em Pondicherry, permaneceu absorvido em seu trabalho espiritual, porém conservou-se a par de tudo o que estava acontecendo na Índia e no mundo. Quando necessário, interferia, mas apenas com sua força espiritual e ação silenciosa.

Sri Aurobindo faleceu em 1950, aos 78 anos, mas sua visão e ideais ainda continuam a atrair a atenção de todos no mundo inteiro. Seu trabalho espiritual tornou-se conhecido como "O Yoga de Sri Aurobindo" ou "Yoga Integrada", porque, como ele dizia, "Toda vida é Yoga" - "Este Yoga significa não somente a realização de Deus, mas uma completa consagração e mudança das vidas interior e exterior, até que estejam preparadas para manifestar uma consciência divina e se tornar parte do trabalho divino."

A Lei do Caminho: Primeiro esteja certo do chamado e da resposta da tua alma. Se o chamado não for verdadeiro, não for o toque dos poderes de Deus, ou a voz de seus mensageiros, mas a ilusão de teu ego, o fim de teus esforços será um pobre fiasco espiritual ou até mesmo um desastre mais profundo.E se não for o fervor da alma, mas apenas o consentimento ou o interesse da mente que responde às intimações divinas, ou somente o desejo da vida inferior que se agarra a algum aspecto da atração dos frutos do prazer, ou apenas uma emoção transitória, que salta como uma chama insegura, movida pela intensidade da Voz ou sua doçura ou grandeza, então, também, pode haver pouca certeza para ti no difícil caminho.Os instrumentos exteriores do homem mortal não tem força para o levar através dos ardores severos dessa jornada espiritual e da titânica batalha interior, ou para enfrentar suas provações terríveis e obstinadas, ou encorajá-lo a vencer seus perigos sutis e tremendos. Somente a vontade firme e venerável do espírito e o fogo insaciável do ardor invencível de tua alma é que são suficientes para essa transformação difícil e esse empreendimento elevado e improvável.Não imagines que o caminho seja fácil; a senda é longa, árdua, perigosa e difícil. A cada passo existe uma emboscada, em cada curva uma cilada. Milhares de inimigos, vistos e não vistos, lançar-se-ão contra ti. Terríveis em sutileza contra tua ignorância, tremendos no poder contra tua fraqueza. E quando com dor conseguires destruí-los, outros milhares lançar-se-ão para tomar seu lugar. O inferno vomitará suas hordas para opor e cercear e ferir e ameaçar; os Céus enfrentar-te-ão com seus testes impiedosos e suas negações luminosas e frias.Encontrar-te-ás sozinho em tua angústia, os demônios furiosos em teu caminho, os Deuses relutantes acima de ti. Antigos e poderosos, cruéis, inconquistáveis, e próximos e inumeráveis são os Poderes terríveis e escuros que lucram com o reino da Noite e Ignorância, que não querem mudança e são hostis. Longínquos, lentos em chegar, distantes e poucos e breves em suas visitas, são Os luminosos que querem e são permitidos dar Socorro. Cada passo para frente é uma batalha. Há descidas precipitadas, há ascenções infindáveis e sempre picos e picos mais elevados para conquistar. Cada planalto escalado é apenas um estágio no caminho e revela, além, Alturas sem fim. Em cada vitória que tu pensas ser a última luta triunfante, evidencia-se somente o prelúdio de batalhas perigosas e centenas de vezes mais ferozes. Mas tu não disseste que a mão de Deus estará comigo e a Divina Mãe perto com seu gracioso sorriso de Socorro? E não sabes tu que a Graça de Deus é mais difícil de ter e de conservar que o nectar dos Imortais ou os tesouros inestimáveis de Kuvera? Pergunta a teus escolhidos e eles dirte-ão quantas vezes o Eterno escondeu deles a Sua face, quão frequentemente Ele se retirou para trás do seu véu misterioso e eles se encontraram sozinhos nas garras do Inferno, solitários no horror da escuridão, expostos e sem defesa na agonia da batalha. E se sua presença for sentida por trás do véu, todavia é como o sol de inverno por trás das nuvens e não salva da chuva e da neve e da tempestade calamitosa e do vento áspero e do frio cortante e da atmosfera de um cinzento doloroso e da monotonia parda e enfadonha. Sem dúvida o auxílio existe, mesmo quando parece ter se retirado, mas ainda há a aparência da noite total, sem um sol para chegar, e sem a estrela da esperança para dar prazer na escuridão.Bela é a face da Divina Mãe, mas ela também pode ser dura e terrível. Mas é, então, a imortalidade um brinquedo para ser dado levianamente a uma criança, ou a vida divina um prêmio sem esforço ou a coroa para um fraco? Esforça-te corretamente e conseguirás; confia e tua confiança acabará justificada; mas a Lei terrível do Caminho existe e ninguém pode derrogá-la.


Mais um pouco de Aurobindo

O ETERNO, O INFINITO, O ÚNICO

No começo , dizem, havia o Eterno, o Infinito, o Único. No meio, dizem, está o finito, o transiente, os Muitos. No fim, dizem, estará o Único, o infinito, o Eterno. Mas quando foi o começo?Em nenhum momento do tempo, porque o começo existe a todo momento; o começo sempre era, sempre é e sempre será. O divino começo está antes do Tempo, no Tempo e além do Tempo para sempre. O Eterno, Infinito e Único é um começo sem fim.E onde está o meio?Não existe o meio; há apenas uma junção do perpétuo fim e o eterno começo; é o inicio de uma criação que é nova a cada momento. A criação era para sempre, é para sempre, será para sempre. O Infinito Eterno e Único é o mágico meio tempo de sua existência; é ele que é a criação sem princípio nem fim.E quando será o fim?Não há fim. Em nenhum momento concebível pode haver uma interrupção. Porque todo fim de coisas é o começo de novas coisas que são ainda o mesmo Único em aparência sempre progressiva e sempre periódica. Nada pode ser destruído, porque tudo é Ele, que é para sempre. O Infinito Eterno e Único é o fim inimaginável que nunca conclui o novo panorama interminável de sua glória.

Textos tirados do livro: Sabedoria de Sri Aurobindo, Seleção de seus escritos - Editora Shakti


Fontes de pesquisa:

http://www.cuidardoser.com.br

http://www.cosmonauta.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário

COMENTA QUE EU GOSTO